diagnóstico

POR ONDE COMEÇAR

GRITA! é uma Associação Civil que se pretende perene, que vive de contribuições livres, de pessoas físicas ou jurídicas sem fins lucrativos. Seu foco é atuar no processo eleitoral do Poder Legislativo. Para as eleições em 2022 o propósito será o de interromper a perversa combinação de:

  • QPartidos com DNA de antigas oligarquias
  • QCandidatos com promessas equivocadas
  • QEleitos sem compromissos definidos com precisão
  • QEleitores apáticos
  • QLegislação calculada para garantir resultados

Entendemos que esta é a causa raiz de nossos problemas políticos. Ao formar um Congresso de baixa qualidade, deixamos de lado a fonte primária para garantia de nosso continuado desenvolvimento social e econômico.

Nossa primeira meta: influir decisivamente na composição do próximo Congresso, elegendo uma Bancada GRITA! suprapartidária em 2022.

raiz dos problemas

O Congresso existe há mais de 130 anos. Mas não tem histórico de protagonista na solução de problemas nacionais, embora às vezes o faça como lente de aumento de problemas. Em geral tem tradição para se omitir, não para se comprometer.

Esta omissão parece ter permitido que os arquétipos de sua função na Monarquia, receber  benefícios da realeza, estejam presentes como  substratos a nos condenar a um permanente atraso político.

Os dois primeiros vídeos mostram o ranço monárquico ainda presente no processo eleitoral brasileiro. O terceiro aponta como um leitor sente-se perdido e daí sua desconfiança em seus representantes.

O GRITA! pretende auxiliar os eleitores a saírem deste enredo perverso.

panorama em vídeo

2022, O Fim da Monarquia

Nossa emoção nas eleições está toda voltada para a eleição do Presidente, como se estivéssemos prestes a eleger um Rei com poder absoluto em pleno século XXI. Não prestamos atenção na eleição dos Deputados e Senadores, que simplesmente controlam o orçamento, fiscalizam gastos e promovem leis, porque achamos que o Presidente simplesmente vai mandar em todos.

O vídeo explora a ideia de que agimos nas eleições como se a República ainda não tivesse sido proclamada. 

A ascensão do Poder legislativo se acentua logo após a Proclamação da Lei Áurea pela Princesa Isabel. Leis complementares que garantissem a progressiva cidadania dos escravos não foram promulgadas. Os escravos deixaram as fazendas e emigraram para a periferia das cidades. Trocaram as senzalas pelas favelas. Os Deputados não se importaram com isso. Ou seja, fazem 130 anos que o Poder Legislativo não se importa com o Povo.

O vídeo explora a ideia de que nossos Parlamentares gostaram de brincar de realeza na ausência do Rei, pois até agora gostam de ser chamados de “Nobres Deputados”. 

2022, O Fim da Nobreza

2022, O Eleitor que Sabia Demais

Os eleitores também estão acomodados, como se seu destino dependesse apenas de se ter um bom Rei a quem pedir favor em troca de beijar-lhe a mão. 40 milhões deles nem se incomodam de escolher em quem votar para o Legislativo. Simplesmente não comparecem, votam em branco ou nulo. Se esse contingente de eleitores acreditasse na arma do voto já poderia sozinho capitanear a Revolução pelo Voto.

O vídeo explora a ideia de que eleitores conscientes podem ficar radiantes porque podem mudar radicalmente o País usando a arma do voto.

cadastro

Informe-se sobre nossas ações e campanhas.

Deseja associar-se ao GRITA?

13 + 7 =